CRONOGRAMA DE OFICINAS

Publicado: 28 março, 2018 em uno

As Oficinas de ”Alfabetização Urbana: por um processo participativo de Regularização Fundiária” são parte das atividades da Escola Popular de Planificação da Cidade em 2018, acontecerão na Ocupação Bubas visando fortalecer a luta da comunidade através do acesso à informação sobre questões referentes ao Direito urbano e fundiário, assim como também à situação atual da Ocupação e seus moradores.

As Oficinas serão realizadas semanalmente em grupos focais a partir dos blocos da ocupação. 

Pessoas interessadas em participar das oficinas, podem encaminhar um e-mail com antecedência em: escolapopulardacidade@gmail.com para que possamos organizar o transporte e outros caso seja necessario.cronograma

Anúncios

Inicio das atividades da Escola Popular 2018

Publicado: 28 março, 2018 em uno

No dia 24 de fevereiro iniciaram as atividades da Escola Popular e o Projeto de extensão de fluxo contínuo: Reestruturação Urbana e Social da Fronteira, com um Mutirão na Ocupação Bubas.

A atividade reuniu a comunidade da Ocupação e a comunidade acadêmica da UNILA, com a colaboração das Brigadas Populares do Paraná numa tarde calurosa de trabalho, para finalizar a renumeração das casas.

A Ocupação, caminha à um processo de Regularização Fundiária, e em breve lanzaremos o cronograma de atividades da EPPC, que visam contribuir e fortalecer a luta da população através de um processo de alfabetização sobre Direito urbano e fundiariário: por um processo participativo de Regularização Fundiária.

 

Semana Academica CAU UNILA NOV/2016

Publicado: 23 novembro, 2016 em uno

Os estudantes do Curso de Arquitetura e Urbanismo, em sua semana acadêmica, organizaram uma ação junto a EPPC  na Ocupação Bubas. Foram pintadas novas placas para as ruas da ocupação que foram danificadas com a chuva de granizo em 2015. O endereço mesmo que não oficial, representou desde sua implantação pela EPPC junto com as lideranças locais, uma ação de fortalecimento na luta por moradia. Atualmente, com estes endereços os moradores tem acesso a políticas públicas que até então não tinham acesso, além de compor de forma coletiva a citação no processo de reintegração de posse.

Foi realizado o Segundo Cadastro de Moradores da Ocupação, na qual cerca de 1000 famílias atualizaram seus dados junto à pesquisadores voluntários, o primeiro cadastro foi realizado em 2015, no qual 2020 pessoas foram cadastradas. A ação foi coordenada pela EPPC em parceria com as Brigadas Populares, e os dados ainda estão sendo sistematizados e deverão colaborar com a defesa da população no processo de reintegração de posse.

Após a aula sobre Conflitos Urbanos e Direito a Moradia ministrada no Curso de Direitos Humanos da América Latina, os cursistas visitaram a ocupação Bubas para conhecer a situação da população e para organizar ações de apoio. A partir desta visitada, foi organizado um mutirão de atualização de cadastro dos moradores, e está em desenvolvimento pelos cursistas ações de apoio aos moradores paraguaios em relação a regularização da documentação e orientação ao acesso a políticas públicas, também está em desenvolvimento uma ação de apoio a famílias com histórico amplo de violações de direitos humanos.

Dia das crianças OUT/2016

Publicado: 23 novembro, 2016 em uno

Foi realizada uma festa para as crianças da ocupação de forma colaborativa entre Brigadas Populares e EPPC. A mesma também contou com a apoio da população em geral da cidade que fez doação de brinquedos e bolos para as crianças. O objetivo, foi contribuir com este evento importante para a ocupação, visto que este ano o seu principal organizador (antigo morador da ocupação) faleceu semanas antes da festa.

Foi um dia de MUITA ALEGRÍA , que só foi possível devido o grande número de voluntários. Foram distribuídos mais de mil brinquedos.

Audiência de Mediação AGOSTO/2016

Publicado: 23 novembro, 2016 em uno

Foram realizadas diversas reuniões com as lideranças locais bem como com a Defensoria Pública do Estado do Paraná, para a mobilização da população na primeira audiência de mediação com o proprietário da terra. A EPPC entregou um relatório com informações importantes sobre o perfil socioeconômico da população, estudos sobre os vínculos estabelecidos no território atual –  familiar e de trabalho, e estudos sobre a precariedade da área indicada de reassentamento localizado na Gleba Guarani, em possível área contaminada. As lideranças locais apresentaram suas demandas, a socióloga Tatiana Guimarães apresentou os dados do relatório da EPPC ao público presente, e a líder comunitária Elza Mendes (CNI) , apresentou as violências das áreas de reassentamento da cidade, dados também apresentados no relatório. O Juiz elogiou a postura da população bem como a ação da UNILA em seu trabalho através da Escola Popular de Planejamento da Cidade.

Foi realizado pelos estudantes para abertura do espaço de leitura, uma oficina de pintura com as crianças.

Foi organizado um mutirão para a construção de dois espaços de leitura para jovens e crianças da ocupação, no qual foram arrecadados livros na cidade de Foz do Iguaçu. A partir da criação destes espaços, outras doações foram feitas e futuramente deve ser organizado uma biblioteca na ocupação, com o objetivo de fortalecer os vínculos de jovens e crianças com este território.

Articulando sempre ensino, pesquisa e extensão a EPPC realizou juntamente com estudantes do curso de Arquitetura e Urbanismo – disciplina Arquitetura, Cidade e Sociedade, um estudo sobre a memória de antigos moradores da ocupação. Este trabalho foi organizado como cordéis que retratam a saga destes moradores, material que foi entregue  a população e atualmente fica em exposição nos espaços coletivos da ocupação. O mesmo material também foi entregue ao juiz na audiência de mediação realizada em Julho/2016.